CREDE

A recuperação judicial apesar de muito alardeada é a última alternativa para salvar uma empresa.

Quase sempre existem soluções mais efetivas, como:

Desvantagens da Recuperação Judicial
  • Publicidade Negativa – Ao saber que a empresa entrou com processo de recuperação judicial os clientes e fornecedores se afastam, enquanto os credores começam a cobrar as dívidas;
  • Proprietários perdem o poder de decisão – Ao solicitar a recuperação judicial, o poder judiciário passa a assumir o controle da empresa, criando a figura do administrador judicial (nomeado pelo juiz) tirando do empresário o poder de decisão diante dos credores e dos demais envolvidos no processo que passam a ser representados pelo comitê de credores e assembleia geral;
  • Burocracia, altos custos e demora – Esses fatores trazem muitos problemas para a empresa, principalmente por afugentarem os clientes e paralisar o negócio;
  • Credores dificultam a aprovação – Como não há negociação amigável, os credores sentem-se traídos e dificultam a aprovação do plano apresentando;
  • Fisco – O fisco não participa da Recuperação Judicial e por isso pode penhorar os bens para garantir o pagamento do que lhe é devido;
  • Bancos – Se houverem bancos entre os credores privilegiados, querem transformar a massa em dinheiro, seu produto de trabalho.

Pelas razões elencadas nas desvantagens da negociação judicial, menos de 1% das empresas em recuperação judicial recuperam-se, 99% delas entram em falência.

É necessária uma análise profissional profunda, realizada por especialista que irão identificar qual é a melhor alternativa para sua empresa.

Escritórios e Correspondentes